Flores Que Iam Para o Lixo Alegram Idosos

Quem nunca admirou as flores usadas para decorar uma festa?
Tão lindas, mas geralmente descartadas rapidamente, sem nem ter chance de alegrarem por mais tempo o dia das pessoas.
Porém, iniciativas como a Flor Gentil e a Flor Faz Bem mudaram isso, tornando a vida das flores e das pessoas melhores!
Após o apagar das luzes nos salões, elas recolhem as flores e doam pra asilos e outras instituições. Esse gesto simples leva tanta alegria aos idosos que sorriem e exibem felizes seus arranjos, que é inegável o poder dessas flores que iam para o lixo e agora viram presentes e lembranças para quem mais precisa de carinho.
Moradora do Asilo Padre Cacique, em Porto Alegre, ganhou flores (Foto: Vini Dalla Rosa/ Divulgação)
Moradora do asilo Padre Cacique, em Porto Alegre, ganha flores

Pioneira no Brasil, a iniciativa naceu com a florista Helena Lunardelli há cinco anos. Ela estava passando por um momento de crise existencial e queria fazer algo diferente de sua vida, algo, principalmente, que tivesse algum impacto social.
Um dia, escutando reclamações e desabafos de faxineiros após uma festa, sobre como era triste ver arranjos tão bonitos irem para o lixo ou até mesmo sobre o fato de um deles não ter tido dinheiro para comprar flores para seu próprio casamento ela percebeu ali a oportunidade que tanto procurava.

Helena Lunardelli entregando pessoalmente as flores do projeto Flor Gentil

Hoje, a Flor Gentil visita 26 casas quinzenalmente e recebe doações de 348 distribuidores distintos, entre floristas, pessoas físicas, buffets e outras instituições. A ONG conta com 2.110 voluntários inscritos, que além de ajudar fazendo o bem, também tornam-se capacitados profissionalmente para atuarem como floristas no mercado de trabalho.
“O que eu mais gosto é entregar. A gente acaba se apegando aos senhores, ouvindo as histórias. É muito legal essa conexão que a flor nos proporciona”, conclui Helena.

Já em Porto Alegre, a Flor Faz Bem, sob o comando da Jaqueline, atua há apenas sete meses e por isso ainda precisa de mais voluntários frequentes. Muitas vezes apenas Jaqueline e a sócia, Claudia Bopp, ficam a cargo de buscar as flores, fazer os arranjos e entregar nos asilos.
Claudia Bopp e Jaqueline Pegoraro com a mão na massa (Foto: Poa Vini Dalla Rosa/ Divulgação)
Claudia Bopp e Jaqueline Pegoraro com a mão na massa (Foto: Vini Dalla)

Para ajudar e saber mais sobre essas iniciativas:
– São Paulo: Flor Gentil
– Porto Alegre: Flor Faz Bem

fonte: www.razoesparaacreditar.com