Mamografia: chance de cura do câncer de mama aumenta com diagnóstico precoce

Segundo estimativa do Inca, Brasil deverá ter quase 60 mil novos casos da doença em 2014

A estimativa em 2014 é que surjam mais de 57 mil novos casos de câncer de mama, segundo dados Inca (Instituto Nacional do Câncer).
No Dia Nacional da Mamografia comemorado em fevereiro, o CBR (Colégio Brasileiro de Mamografia e Diagnóstico por Imagem), em conjunto com a SBM (Sociedade Brasileira de Mastologia) e a Febrasgo (Federação Brasileira das Associações de Ginecologia e Obstetrícia) chamam atenção para a importância do exame para detectar este tipo da doença.
De acordo com a coordenadora da Comissão de Mamografia do CBR/SBM/Febrasgo, Linei Urban, os índices de mortalidade da doença são altos.
— Isso é resultados muitas vezes da dificuldade de acesso e má distribuição dos 4.500 mamógrafos existentes no Brasil, assim como a qualidade — muitas vezes duvidosa — dos exames. Segundo Linei, o tratamento do câncer de mama muitas vezes está associado ao “rastreamento mamográfico”, já que é possível detectar a doença em estágio inicial.

Quando fazer o exame?

Segundo o oncologista da Oncomed BH, Leandro Ramos para as mulheres que não tem histórico de câncer na família, a mamografia deve ser feita uma vez por ano, a partir dos 40 anos. — Já para mulheres que já tenham algum caso na família, indicamos fazer o exame ainda mais cedo. Por meio da análise dos seus resultados, podemos identificar lesões benígnas e até mesmo o câncer de mama.

O médico ainda explica que se diagnosticado e tratado precocemente, as chances de cura ficam ainda maiores. — A prevenção e a identificação precoce são fundamentais para a redução das taxas de mortalidade desse tipo de neoplasia. Uma vez identificado o caso, o tratamento adequado e ágil minimiza os impactos da doença.
De acordo com especialistas, o autoexame que é feito pela mulher também é importante, mas não substitui a mamografia. Além disso, o ideal para se manter longe da doença é manter uma alimentação saudável, não fumar, praticar exercícios, amamentar, controlar o peso corporal e não ingerir bebidas alcoólicas.

fonte: R7.com.br